Vingadores: Era de Ultron | Crítica

Com o sucesso de 'Vingadores'(2012) ficou óbvio o desafio quase impossível que a Marvel e Disney teriam pela frente: Superar um dos maiores filmes de super-heróis de todos os tempos, e ainda deixar uma base para a próxima fase de filmes da Casa das Idéias.

A cada pesquisa feita pelo mundo a fora, Era de Ultron assume o topo das listas como o blockbuster mais aguardado do ano. E isso é uma coisa boa? Bem, sim e não.

A última vez que um diretor se viu em uma situação semelhante com a Marvel foi Jon Favreau em "Homem de Ferro 2"(2010), e o diretor não conseguiu repetir o feito do ótimo "Homem de Ferro"(2008).

Vingadores:Era de Ultron começa eletrizante, já com muita ação onde nossos heróis tem a missão de recuperar o Cetro de Loki que está nas mãos da Hydra. O filme não precisa apresentar os personagens, pois já foram estabelecidos no primeiro filme e em seus filmes solos.  Neste início explosivo temos um plano sequência dos heróis em ação onde você tem a sensação de não estar vendo algo real, lembra um jogo de video game bem produzido, mas somente nessa cena, nada que atrapalhe o filme.

Eu vou dizer que as coisas que funcionam melhor para mim neste filme são os momentos humanos. Se o primeiro filme 'Avengers' foi sobre a construção da equipe, este é sobre desmoronar a equipe.


Tony está preocupado com a criação de robôs que possam fazer o trabalho do Homem de Ferro sem o homem dentro. O problema é que nenhum dos robôs são verdadeiramente capazes de pensamento ou julgamento, de modo que não pode ser a solução permanente que Tony está procurando. Com a ajuda de Bruce Banner, ele criou um robô de manutenção da paz, Ultron. Inconvenientemente, a máquina determinou para si mesmo que o único caminho para a humanidade sobreviver é ela ser aniquilada e, assim, a oportunidade de evoluir.

James Spader, empresta sua voz a Ultron. O ator é simplesmente magistral na interpretação do vilão, dando a máquina uma mistura perturbadora de frieza e crueldade.

Há uma tonelada de material em "Era de Ultron" para os fãs de cada um dos personagens desfrutar, desde os heróis aos vilões, as brincadeiras espirituosas (aqui todos tem seus momentos cômicos, até mesmo Ultron) e interação dos personagens. O roteirista e diretor Joss Whedon mostrou que sabe lidar com um grande numero de personagens na tela. Nisso ele trabalhou melhor que o primeiro filme onde Tony Stark e Capitão América tiveram um pouco mais de destaque que o resto do grupo, mas aqui Whedon conseguiu dar a mesma importância em tela para todos eles, inclusive o Gavião Arqueiro. Até mesmo o Visão(Paul Bethany simplesmente perfeito) quando entra em cena recebe o espaço merecido no filme, protagonizando ainda a cena mais hilária do filme(tão quanto a do Hulk com Loki no primeiro filme).


Um dos pontos altos do filme são os atos heróicos, momentos em que os heróis se desdobram para salvar civis. Senti falta disso no primeiro filme, e aqui temos de sobra. Heróis sendo heróis.

Há um destino de um personagem em particular, que deve inspirar um debate animado por um tempo, e que pode ser divertido.

Mas em Era de Ultron as cenas de ação podem ser desgastantes, elas não emocionam como no primeiro filme. Ao final fica clara a intenção de ser tão explosivo quanto o primeiro filme o que pode forçar os próximos filmes da Marvel adotarem uma “escala maior” para seus finais, o que pode prejudicar a história.

Se o final não tem a recompensa emocional do primeiro filme, isso é também porque Whedon tinha uma tarefa quase impossível,mas é inevitável que aqueles que procuram as mesmas emoções simples como o seu antecessor vai sair do cinema um pouco decepcionado.


Não se engane... "Vingadores: Era de Ultron" é ao mesmo tempo um melhor filme e uma sequência melhor do que "Homem de Ferro 2" foi para seu antecessor, mas eu acho que é claro neste ponto que, enquanto Marvel continua a construir um grande universo cinematográfico, existem certos obstáculos que eles vão continuar a enfrentar com os filmes.

Por mais que eu admire Whedon, estou feliz que Joe e Anthony Russo, que foram responsáveis pelo melhor filme da Marvel até o momento(Capitão América:O Soldado Invernal) irão assumir as próximas duas sequências dos Vingadores (Guerra Infinita parte 1 e 2), e estou ansioso para ver o que eles irão fazer. Em "Capitão América: Soldado Invernal" eles mostraram como fazer uma sequência de um filme baseado em histórias em quadrinhos.

Nota Final: 4/5


Anterior
Next Post »