Star Wars: O Despertar da Força | Crítica


Finalmente a espera chegou ao fim!  Posso dizer que entrei no cinema com os olhos arregalados, cheios de esperança. Parecia uma criança, como muitas pessoas ali naquela sessão. Até hoje, a trilogia original ainda permanece como alguns dos meus filmes favoritos, mas prometo (tentar) não deixar esse meu lado fã influenciar na conclusão desta crítica.

Star Wars: O Despertar da Força, é grande, é épico, é espetacular. Você consegue perceber que o filme foi feito por verdadeiros fãs da saga.

JJ Abrams conseguiu reacender a franquia Star Trek, com dois ótimos filmes, por isso, quando lhe foi dada a tarefa de dirigir o novo Star Wars, muitos confiaram, alguns estavam céticos, mas ainda assim animados. A principal questão era: Ele vai conseguir? Sim, ele conseguiu e muito bem! O que eu estava assistindo foi emocionante.

Vamos olhar mais para o filme (não se preocupe, não haverá spoilers). Em primeiro lugar, a abertura - com o texto clássico - assim como o uso de efeitos práticos e fantoches/robôs(como os utilizados na triogia clássica), alinhados ao uso extensivo de CGI , da aos fãs o melhor estilo da velha escola de Star Wars. O filme tem cenas de ação impressionantes e espetaculares, mas nada apressado. As cenas permanecem em ritmo acelerado e a câmera se move graciosamente, nos dando um espetáculo visual.

Os novos personagens são muito simpáticos, principalmente Rey e Finn. A dupla funcionou muito bem. Harrison Ford está fantástico como sempre e o que falar do pequeno BB-8? Este pequeno andróide roubou a cena(várias cenas), mas sem estragar o andamento do filme e sem atrapalhar os personagens principais.  Os vilões são muito bons. Foram colocadas algumas reviravoltas sobre eles que eram, digamos, interessantes. Mas algumas atitudes do vilão Kylo Ren, acho que poderiam ser evitadas mantendo ainda mais um mistério sobre o personagem.

Aaahh essa sequência..
O filme faz muitas homenagens a trilogia original(principalmente ao episódio IV) e é aí que mora o problema. Não vou dizer muito para não entregar nada do filme (lembra, sem spoilers), mas em muitos momentos, parece que você está assistindo um remake do filme de 1977.

Outra questão é que se passaram 30 anos e um monte de coisas aconteceu nesse período, mas o filme não nos revelou muito sobre esses 30 anos. O fato da Primeira Ordem substituir o Império, por exemplo,  não foi explicado. Possivelmente os próximos filmes expliquem(ou não) as perguntas que ficaram sem respostas em "O Despertar da Força".  Mas, nada que atrapalhe a diversão.


Um filme que apresenta um sentimento de nostalgia sem fim, com participações de Leia (Carrie Fisher), C3PO  e até mesmo Peter Mayhew como Chewbacca. Você fica com um nó na garganta e com  muita adrenalina na última hora do filme. Eu tive esse sentimento, sentado na minha poltrona com o coração batendo rápido.

No fim posso dizer que, com muitas referências à trilogia original, Star Wars: O Despertar da Força é uma ópera espacial que atua como nada mais do que um pedaço enorme da magia do cinema!

Nota: 4,5/5

PS: E sobre Luke Skywalker e R2D2?  Simplesmente assista o filme.

Anterior
Next Post »