Mad Max: Estrada da Fúria | Coluna: A Sétima Arte Em Foco


Como começar a falar do filme Mad Max a Estrada da Fúria e não deixar o “pé pesar
no acelerador”? Pois é, esse é o termo certo para definir o ritmo acelerado e alucinante
dessa produção. Desde seus primeiros minutos de exibição até último, são de intensas
emoções e ansiosidade pelos próximos tão esperados minutos a serem exibidos.

A ambientização dos cenários foi perfeita, o clima pós apocalíptico nos leva para o
real drama no filme, tribos de dominadores, conquistadores e escravizadores retêm e
monopolizam os recursos naturais e aplicam novos sistemas de domínio aos habitantes
e sobreviventes da terra. O líder (e o vilão) da tribo a qual é o foco da trama Immortan
Joe vivido pelo ator Hugh Keays-Byrne (nota aqui é que o ator também atuou no
primeiro filme Mad Max em 1979 como Toecutter um dos vilões daquela produção),
além de montar uma colônia e usar pessoas no serviço escravo, ele muta pessoas para
serem soldados fieis, camicazes e fanáticos pela sua imagem e posição como a um deus,
como uma seita; por ele esses mutados matam e MORREM sem pensar uma única vez, com convicção. 


Pessoas saudáveis capturadas no deserto ou estradas servem como “bolsa de
sangue” humanas e vivas para os guerreiros da estrada (assim são chamados os
mutados no filme) feridos em batalhas automotivas pela posse de combustível o
verdadeiro ouro líquido desse sistema apocalíptico. Aqui entra o protagonista desse
filme: Max vivido pelo ator Tom Hardy que sofre com uma espécie de esquizofrenia de
culpa na morte de uma menina que, subentende-se ser sua filha (isso realmente vai
ficar a cargo de quem assistiu ao original com Mel Gibson em 1979). 


Logo no começo do filme foi capturado e feito de bolsa de sangue humana do mutado guerreiro da estrada Nux vivido pelo ator Nicholas Hoult, mas isso tudo em seqüência alucinantes de cenas.
E fica mais espetacular quando Immortan Joe designa sua Imperatriz Furiosa vivida
pela sempre linda Charlize Theron para guiar sua máquina de guerra, um caminhão
extremamente bélico de poder de fogo para buscar mais combustível e munição em
outras colônias lideradas por seus outros irmãos. Nota 10 pelo efeito no braço de
Charlize Theron que parece ser amputado, e ela usa um modelo manual de engenharia
cilíndrica como mão, PERFEITO!


Furiosa não pretende seguir seu itinerário traçado, mas libertar as jovens que eram
feitas prisioneiras de Immortan Joe para lhe gerar novos filhos e daí até o final, é
emoção após emoção, é adrenalina pura de deixar o coração acelerado estando você
parado rsrsrsrsrs... Meus amigos ponham seus cintos de segurança, se aconcheguem de
maneira apropriada em suas poltronas porque esse filme lhe tirará o fôlego!!!


Eu poucas vezes assisti remakes e reboots que fossem melhor que seus originais, mas
MAD MAX: A ESTRADA DA FÚRIA excedeu minhas expectativas de tão bom que o

filme consegue ser. No mais, é você assisti e conferi se o que eu estou afirmando aqui é
fato ou mera individualização de minha opinião.





*
Marcos Coimbra é o criador do Espaço HQ , e colabora aqui no Will,Who.
Anterior
Next Post »