Supernatural, a série que um dia amei | Coluna: A Conexão


Acredito que a maior parte das pessoas de minha idade se interessaram por séries quando o SBT começou a passar Supernatural no horário nobre da TV Brasileira, a série ali conquistou muitos fãs e fez pessoas abrir a cabeça a novas séries, e era uma série que todos amavam.

Por mais que Supernatural usasse a velha (muito velha) fórmula de vilão da semana, funcionava extremamente bem na série, uma vez que ela era focada em tratar do folclore americano. Na época não tinha muita noção de enquadramento de câmera, luz e sombra, mas com Supernatural era diferente de qualquer coisa que já havia visto, era lindo, aquele tom pesado e sempre noturno, acompanhado de um bom Rock clássico, lembro até hoje e ainda não vi, uma cena melhor de entrada de um personagem, igual foi com a Morte. A série era diferenciada.

A série aos poucos foi ganhando um rumo e tinha um verdadeiro êxtase, uma história ia correndo de fundo aos poucos, estávamos nos encaminhando ao Apocalipse cristão, mesmo a série traçando este caminho, o folclore americano não deixava de ser presente na série, e tinha um clima de horror, tensão e pressão melhor que qualquer temporada de American Horror Story, Bloody Mary sempre foi uma história que me assustou muito, e depois do episódio na série, fiquei uma semana sem olhar no espelho. Isso distinguia meu amor e apreço pela série, porém enquanto faz sucesso ninguém sabe parar.

Na sexta temporada a série desandou, tentou empregar a lenda urbana como foco principal novamente e o Apocalipse nem parecia ter feito algum arranhão, não causou problemas para o mundo, não teve consequências, sem dizer que teve o pior dos vilões, e a segunda pior escolhas possíveis para a série.

Conforme a série decorria a parceria entre Dean e Sam foi se desgastando, deixaram de se importar mais com o outro do que a si mesmo, mas isso era a série, o Sam simplesmente resove deixar o Dean no purgatório, sério? E o Dean dizer que era melhor o Sam ter morrido?

Lembro uma vez na terceira temporada onde o Bobby diz "Temos que tomar cuidado, ela é um demônio e não temos experiência de como lidar com essas coisas, aparecem 3 ou 4 ao ano", nas temporadas mais recentes aparecem MILHARES por dia, a série começou a se desencontrar com ela mesma, com suas decisões e causas.

A série deixou de ter a antiga pegada, o tom sombrio, o escuro no ambiente, até a trilha sonora está em falta. In-felizmente nunca deixarei de acompanhar, pois por mais que tenha deixado de amar, ainda faz parte de mim.

*
Jhonatan Cespedes é o criador do Sociedade Geek e colaborador aqui no Will,Who


Anterior
Next Post »